sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Incêndio em Comunidade da Zona Leste de São Paulo.

Fonte: Imagens aéreas registradas pelo helicóptero do canal de televisão mostram que o grande incêndio já consumiu parte das moradias da comunidade (TV Globo/Reprodução).
Fonte: http://veja.abril.com.br/brasil/incendio-atinge-favela-na-zona-leste-de-sp/

Nessa quinta-feira (29/12) aconteceu um incêndio na Comunidade localizada na Rua Lauro de Freitas - Vila Sílvia, próximo da nossa Igreja. Estivemos no local aonde a Defesa Civil montou uma Base Comunitária para distribuição de água potável e alimentos tendo o apoio da Polícia Militar. Não houve confirmação de óbitos ou feridos. Mas o fogo atingiu a região central e deixou muitas famílias desabrigadas, com perda de móveis, roupas, e outros pertences. Demos uma singela ajuda com fraldas, mamadeira e alimentos. Mas nós podemos ajudar mais, principalmente as crianças. 

Por isso convoco todos os membros e congregados da PIBVS, para trazerem suas doações no Culto da Virada (31/12), as quais levaremos no próximo domingo (01/01) à tarde. Então anote aí o que você pode doar:

- fraldas descartáveis (tamanhos pequenos e médios),
- roupas infantis para bebezinhos,
- leite ninho,
- sapatos para crianças,
- roupas para crianças entre 03 e 07 anos,
- sandálias para as crianças,
- e alimentos não perecíveis entre outros.

Contamos com seu amor e solidariedade. Vamos auxiliar a nossa Comunidade. É hora de praticarmos o "ágape" que tanto pregamos.
Toda ajuda nesse momento é bem-vinda!

Marcos Queiroz, pastor

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

sábado, 10 de dezembro de 2016

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

sábado, 26 de novembro de 2016

Lembranças do Pastor e Dr. Russel Shedd.

Dr. Shedd, alguém que podemos imitar.
Com dezessete anos de idade conheci o Dr. Shedd. Fui seu aluno na Faculdade Teológica e desde os primeiros dias sua vida me impressionava. Ele não apenas ministrava aulas, mas tinha uma autoridade espiritual e um conhecimento vivencial da Palavra que penetrava nosso coração e atingia nossa alma. Durante quatro anos aprendi muito com ele em diversas matérias.
No entanto, anos depois de ter me formado, é que mais aprendi com ele. Apenas uma experiência que vivemos juntos pode dar uma ideia do que quero dizer com isto. Certa vez eu tive o privilégio de ser um dos preletores numa conferencia para jovens em que o Dr. Shedd também era preletor. A conferencia aconteceu num mês de janeiro, na cidade de Angra dos Reis – RJ, e naquele ano a temperatura atingiu 43 graus centígrados.
Cheguei junto com o Dr. Shedd no aeroporto e alguém nos pegou para irmos para o hotel. A pessoa também informou que ficaríamos hospedados no mesmo quarto. Eu, ainda jovem, estava me sentindo “o cara”. Quando chegamos no hotel, não era bem um hotel, mas uma pousada, e fomos colocados no terceiro andar, debaixo da laje sem telhado, num minúsculo quarto, com apenas duas camas, um armário, uma mesa e uma cadeira. Tudo bem simples. O detalhe é que não tinha elevador, nem frigobar, e muito menos ar condicionado. Havia apenas um pequeno ventilador, suficiente apenas para uma pessoa.
Chamei a pessoa que nos deu carona, e comecei a reclamar, alegando o fato de que estavam colocando o Dr. Shedd num lugar assim. Lá no fundo do fundo, eu estava com pena dele, mas aproveitei para me beneficiar disto. Enquanto eu falava, o Dr. Shedd apenas encostou ao meu lado, colocou a mão em meu ombro e calmamente me convidou para sentarmos na beirada da cama.
Ele disse: “Meu irmão, que bom estarmos aqui e podermos compartilhar a Palavra de Deus com estes jovens. Vamos agradecer que chegamos bem, agradecer que Deus nos deu um quarto excelente para dormirmos, com duas camas, um armário para pendurarmos nossas roupas e uma mesa para estudarmos. “
A esta altura eu queria que um buraco se abrisse, de tão envergonhado que estava. Ao mesmo tempo, além de todas as aulas que eu havia tido com ele e aprendido muito, a partir deste dia eu disse em meu coração: “este é um discípulo de Jesus que quero imitar, pois assim como Paulo ele é alguém que pode dizer: ‘sejam meus imitadores como sou de Cristo’”. Eu nunca o ouvi dizendo estas palavras, mas ele falava isto com sua vida, atitudes, exemplo de família e de ministério.
O Dr. Shedd não era um teólogo que fazia teologia, mas que vivia teologia. Ele não era um professor que ensinava a Bíblia, mas que exalava a Bíblia de forma vivencial através de sua vida. Não era apenas um marido e pai, mas um homem que nos mostrava como sermos maridos e pais.
Assim, se pudesse resumir um tributo ao Dr. Shedd, seria exatamente este: alguém que devemos imitar. Ao imitarmos a vida do Dr. Shedd poderemos refletir as sementes que ele plantou em nossos corações, e desta maneira tornarmos Cristo conhecido para 
o mundo. Como missionários da Sepal o Dr Shedd nos ajudou a servir a igreja brasileira e influenciar milhares de líderes ao longo do anos.

Obrigado Dr. Shedd por ser um referencial para nossa geração. Queremos imitá-lo.
Josué Campanhã.

domingo, 13 de novembro de 2016

sábado, 29 de outubro de 2016

sábado, 22 de outubro de 2016

Para nossa reflexão.

Venha cultuar a Deus conosco.
Nesse domingo (23/10/16) às 09:00 e 18:00 horas.
Será um prazer receber você e sua família!

Se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado.

Por: Josué Campanhã, pastor.

A grande notícia da semana é a prisão de Eduardo Cunha. Parece, mas não é a notícia principal. Mais importante do que esta notícia, é o que está por trás dela. Não no mundo político, mas na área espiritual. Até onde sabemos Eduardo Cunha é evangélico, assim como mais 50 milhões de pessoas em nosso país. Ser evangélico não mudou completamente a vida dele, nem o impediu de ser corrompido e corromper conforme relata a imprensa. Ser evangélico não gerou transformação de vida, para que ele pudesse ser uma referencia de Cristo no mundo político.
Mas, e se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado?
Não dá para prever tudo que ele faria ou não faria, mas dá para indicar quem ele seria como um discípulo de Jesus. Se ele fosse um discípulo de Jesus e não apenas um evangélico, ele confrontaria o erro e morreria pela missão de Deus, assim como Jesus, e não se deixaria levar pelas moedas de prata. Se ele fosse um discípulo de Jesus e não apenas um evangélico, ele teria procurado Sérgio Moro para contribuir com a justiça, e não teria sido procurado pela justiça para ser preso.
Se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado ele teria permitido que seu “eu” morresse para que Cristo vivesse nele e dominasse todas as áreas da sua vida. Em todos os cargos que exerceu, a principal pergunta teria sido: “O que que Cristo faria em meu lugar? “, e não “O que eu faço para conseguir mais poder? “, como a imprensa demonstra. Se ele tivesse sido discípulo de Jesus e não apenas evangélico, ele teria aprendido a obedecer aos mandamentos de Jesus e isto faria com que obedecesse às leis do país.
Se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado ele teria aprendido submissão total a Cristo, e isto faria com que toda a arrogância, opulência e altivez mencionada por seus colegas fossem substituídas pelo espírito simples, mansidão e humildade.
Se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado ele teria aprendido a amar aos outros como Cristo nos amou, e não usar os outros como é praxe no mundo político. Além disto ele também teria aprendido a orar e se comunicar direto com Deus a todo momento da sua vida, e não apenas manter uma comunicação com as pessoas mais poderosas do mundo político.
Parece que Eduardo Cunha é evangélico, mas não foi discipulado. Então, esta é a notícia mais bombástica da semana, do ano e do século. Como discípulo de Jesus e também como pastor e líder cristão, entendo que é hora de olhar para a prisão de Eduardo Cunha e aproveitar o momento para fazermos uma autoanalise. Eduardo Cunha é fruto de um sistema religioso que construímos, que forma membros de igreja cheios de regras religiosas, torna-os líderes na igreja e empurra-os para a sociedade sem uma missão. Tornam-se líderes sem saber o que liderar, não têm estrutura para resistir aos afagos do poder e não tiveram seu caráter lapidado.
Eduardo Cunha foi formado dentro de um sistema religioso que informa, mas não transforma, ensina, mas não lapida o caráter, mostra as regras, mas não inculca os valores do Reino. Eu também cresci neste sistema, e se um dia não tivesse entendido o que significa ser um discípulo de Jesus poderia também ter me tornado um Eduardo Cunha. A graça me alcançou e me transformou.
Temos muitos Eduardos Cunha em igrejas evangélicas e católicas. Valorizam o poder, se apegam ao dinheiro, negociam a fé, induzem as pessoas, manipulam coletivamente, não estão preocupados com as pessoas ou com a comunidade. Talvez Eduardo Cunha tenha se inspirado em alguns pastores ou sacerdotes, e nem por isto ele é inocente, mas foi influenciado por líderes religiosos que estão com a boca cheia de regras, mas o coração vazio das Escrituras, como Jesus já falou sobre os religiosos da sua época.
Talvez a notícia mais bombástica da semana é que como evangélicos produzimos um homem que chegou a ser o terceiro na linha de sucessão à presidência da República, quando deveríamos ter produzido um discípulo de Jesus, que independentemente do cargo que ocupasse deveria gerar transformação no mundo. Há alguns anos, Ninguiza Mikandla, um pastor africano, disse: “pensamos que o problema está em Brasília e se reflete nas igrejas. Não! O problema está nas igrejas e se reflete em Brasília”.
Temos igrejas cheias de membros ou fiéis e vazia de discípulos. Pastores, sacerdotes e líderes trabalham o ano inteiro apenas para manter o ritmo de atividades religiosas. Se perguntarmos quantos discípulos fizeram a resposta será constrangedora. Agora mesmo, centenas de atividades religiosas estão produzindo novos Eduardos Cunha.
Deveríamos rasgar nossas vestes religiosas, nos vestir de saco, colocar a boca no pó e pedir perdão à nossa nação por termos aqui 90% de cristãos, entre católicos e evangélicos, mas em 500 anos de história não termos produzido discípulos de Jesus suficientes para transformar a sociedade. Além disto, deveríamos nos levantar e parar com nosso ativismo religioso e começarmos a fazer discípulos semelhantes a Jesus. Se começarmos a discipular nossas crianças desde a infância, daqui a 20 anos nosso país será completamente diferente. Não há corrupção que resista à um verdadeiro discípulo de Jesus. Não há jogos de poder que resistam ao caráter de um discípulo de Jesus. Não há dinheiro que compre um discípulo de Jesus.
Se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado quando passou pelas mãos de pastores e líderes, Brasília seria um reflexo da igreja, e esse reflexo seria o brilho da luz de Cristo dissipando todas as trevas. Que tal nos recuperarmos dessa notícia bombástica, e começarmos a discipular os Eduardos Cunha que estão em nossas mãos e que chegarão em Brasília nos próximos 20 anos?
A grande notícia da semana é a prisão de Eduardo Cunha. Parece, mas não é a notícia principal. Mais importante do que esta notícia, é o que está por trás dela. Não no mundo político, mas na área espiritual. Até onde sabemos Eduardo Cunha é evangélico, assim como mais 50 milhões de pessoas em nosso país. Ser evangélico não mudou completamente a vida dele, nem o impediu de ser corrompido e corromper conforme relata a imprensa. Ser evangélico não gerou transformação de vida, para que ele pudesse ser uma referencia de Cristo no mundo político.
Mas, e se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado?
Não dá para prever tudo que ele faria ou não faria, mas dá para indicar quem ele seria como um discípulo de Jesus. Se ele fosse um discípulo de Jesus e não apenas um evangélico, ele confrontaria o erro e morreria pela missão de Deus, assim como Jesus, e não se deixaria levar pelas moedas de prata. Se ele fosse um discípulo de Jesus e não apenas um evangélico, ele teria procurado Sérgio Moro para contribuir com a justiça, e não teria sido procurado pela justiça para ser preso.
Se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado ele teria permitido que seu “eu” morresse para que Cristo vivesse nele e dominasse todas as áreas da sua vida. Em todos os cargos que exerceu, a principal pergunta teria sido: “O que que Cristo faria em meu lugar? “, e não “O que eu faço para conseguir mais poder? “, como a imprensa demonstra. Se ele tivesse sido discípulo de Jesus e não apenas evangélico, ele teria aprendido a obedecer aos mandamentos de Jesus e isto faria com que obedecesse às leis do país.
Se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado ele teria aprendido submissão total a Cristo, e isto faria com que toda a arrogância, opulência e altivez mencionada por seus colegas fossem substituídas pelo espírito simples, mansidão e humildade.
Se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado ele teria aprendido a amar aos outros como Cristo nos amou, e não usar os outros como é praxe no mundo político. Além disto ele também teria aprendido a orar e se comunicar direto com Deus a todo momento da sua vida, e não apenas manter uma comunicação com as pessoas mais poderosas do mundo político.
Parece que Eduardo Cunha é evangélico, mas não foi discipulado. Então, esta é a notícia mais bombástica da semana, do ano e do século. Como discípulo de Jesus e também como pastor e líder cristão, entendo que é hora de olhar para a prisão de Eduardo Cunha e aproveitar o momento para fazermos uma autoanalise. Eduardo Cunha é fruto de um sistema religioso que construímos, que forma membros de igreja cheios de regras religiosas, torna-os líderes na igreja e empurra-os para a sociedade sem uma missão. Tornam-se líderes sem saber o que liderar, não têm estrutura para resistir aos afagos do poder e não tiveram seu caráter lapidado.
Eduardo Cunha foi formado dentro de um sistema religioso que informa, mas não transforma, ensina, mas não lapida o caráter, mostra as regras, mas não inculca os valores do Reino. Eu também cresci neste sistema, e se um dia não tivesse entendido o que significa ser um discípulo de Jesus poderia também ter me tornado um Eduardo Cunha. A graça me alcançou e me transformou.
Temos muitos Eduardos Cunha em igrejas evangélicas e católicas. Valorizam o poder, se apegam ao dinheiro, negociam a fé, induzem as pessoas, manipulam coletivamente, não estão preocupados com as pessoas ou com a comunidade. Talvez Eduardo Cunha tenha se inspirado em alguns pastores ou sacerdotes, e nem por isto ele é inocente, mas foi influenciado por líderes religiosos que estão com a boca cheia de regras, mas o coração vazio das Escrituras, como Jesus já falou sobre os religiosos da sua época.
Talvez a notícia mais bombástica da semana é que como evangélicos produzimos um homem que chegou a ser o terceiro na linha de sucessão à presidência da República, quando deveríamos ter produzido um discípulo de Jesus, que independentemente do cargo que ocupasse deveria gerar transformação no mundo. Há alguns anos, Ninguiza Mikandla, um pastor africano, disse: “pensamos que o problema está em Brasília e se reflete nas igrejas. Não! O problema está nas igrejas e se reflete em Brasília”.
Temos igrejas cheias de membros ou fiéis e vazia de discípulos. Pastores, sacerdotes e líderes trabalham o ano inteiro apenas para manter o ritmo de atividades religiosas. Se perguntarmos quantos discípulos fizeram a resposta será constrangedora. Agora mesmo, centenas de atividades religiosas estão produzindo novos Eduardos Cunha.
Deveríamos rasgar nossas vestes religiosas, nos vestir de saco, colocar a boca no pó e pedir perdão à nossa nação por termos aqui 90% de cristãos, entre católicos e evangélicos, mas em 500 anos de história não termos produzido discípulos de Jesus suficientes para transformar a sociedade. Além disto, deveríamos nos levantar e parar com nosso ativismo religioso e começarmos a fazer discípulos semelhantes a Jesus. Se começarmos a discipular nossas crianças desde a infância, daqui a 20 anos nosso país será completamente diferente. Não há corrupção que resista à um verdadeiro discípulo de Jesus. Não há jogos de poder que resistam ao caráter de um discípulo de Jesus. Não há dinheiro que compre um discípulo de Jesus.
Se Eduardo Cunha tivesse sido discipulado quando passou pelas mãos de pastores e líderes, Brasília seria um reflexo da igreja, e esse reflexo seria o brilho da luz de Cristo dissipando todas as trevas. Que tal nos recuperarmos dessa notícia bombástica, e começarmos a discipular os Eduardos Cunha que estão em nossas mãos e que chegarão em Brasília nos próximos 20 anos?

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Aviva Brasil - Missões Nacionais.

Mais informações acesse: 
http://www.missoesnacionais.com.br/

Pós Graduação EAD - Grátis.

Inscrições até - 10 de Novembro de 2016.
Acesse: 
http://portal.sme.prefeitura.sp.gov.br//Main/Noticia/Visualizar/PortalSMESP/Inscricoes-abertas-para-Especializacoes-da-UTFPRUniCEU#.WAU2fBctscI.email 

ou 

 http://ead.utfpr.edu.br/

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Flashes do Passeio ao Pico do Jaraguá. Em 12-out-16.











Com muito sol, suor e esforço subimos o Monte (pico) do Jaraguá, para orar por nossa cidade, interceder pelo nosso país e governantes.   Clamamos a Deus também contra as drogas, a idolatria, a violência e outros pecados que assolam nossa cidade e pátria.  Parabéns aos irmãos  que compareceram em especial da melhor idade, que completaram a trilha!


“Não a nós Senhor, não a nós mas ao teu nome dá glória...” (Salmos 115.1)

domingo, 9 de outubro de 2016

Flashes - "Brincando com as crianças da Vila Sílvia."







Hoje (09/10/16) celebramos o dia das crianças em nossa Igreja. Louvamos a Deus pela presença de cada uma delas, ver o sorriso no rosto de uma criança é algo tremendo. Que o nosso Deus abençõe a vida de cada irmão voluntário e também pelas doações e presença!